A Jornada – Semana 01

ESSA É A MINHA VIDA.

A Jornada

TODOS OS DIAS COMEÇA O MESMO. MIJAR, SE VESTIR. AS CALÇAS VÃO EM UMA PERNA POR VEZ.

“Eu não sou como todo mundo. Eu não vivo como eles vivem. Eu não como o que eles comem. Sem roscas. Sem café com creme e açúcar. Sem papéis pela manhã. Agora são 6:52am e eu já estou na minha segunda refeição. Enquanto todos estão dormindo eu estou traçando o meu caminho.”

SEM PAUSAS… SEM FIM DE SEMANA… SEM DIAS DOENTE…

“O que eu faço? Sou um fisiculturista e sim, é um trabalho. O dia não começa as 9 e ele não vai terminar as 5. Começa desde a hora que eu abro os olhos para o tempo. Não são 5 dias de trabalho por semana. Eu vivo isso 24/7… Este é um trabalho. Esta é a minha vida.”

SEU TRAJETO MATINAL CONDUZ A SUA MENTE. A ROTA NUNCA MUDA.

“A parte mais difícil é aderir ao caminho, aguentar a rotina esmagante. Minha viagem não irá mudar e cada dia que passa vai me trazer mais perto do meu destino, aquele que eu circulei de vermelho e colei no armário. Não existe um descanso. Tenho milhas à avançar.”

ESSE É O MEU ALARME.

A Jornada

“Aquele pedaço de papel colado no meu armário? É a chamada para a ação. A declaração para a guerra. Eu colei lá para lembrar da data todo maltido dia… Além disso, é o meu despertador pessoal. Toda manhã, estou fazendo os meus ovos, tomando o Animal Pak, preparando as minhas refeições – ele age como um martelo no meu cérebro. O meu alarme não tira uma soneca. Ele nunca para e faz com que eu não me descuide. Alguns dias eu o vejo e ele me deixa excitado. Sim, eu vou fazer isso. Esse é o meu destino. Outros dias eu penso, “O que diabos estou fazendo? Pareço uma merda.” De qualquer maneira, eu não posso escapar. Todo tempo eu vejo aquele pedaço de papel, ele me encara, me chama, me desafia. Então eu apenas sigo em frente. Escuta, é assim que as coisas funcionam. Se você quer algo feito precisa estabelecer isso como meta. Então escreva e coloque em um local onde você não possa se esconder dele. Todo dia observe e pergunte a si mesmo, estou além do que eu estava ontem? Estou indo em frente? Caso não esteja, por que você estabeleceu isso como um objetivo? O meu objetivo está lá acima, circulado com tinta vermelha permanente. Todo dia ele me comprimenta, o meu próprio maldito despertador. Se eu ouvir atentamente, eu juro que posso ouvi-lo passar. Tick… Tick… Tick… passando de 126 dias para baixo. Não pode ouvir? É foda, ameaçador. E é o seu caminho tortuoso até baixar a 0…”

ESSE É O MEU LUGAR.

A Jornada

“Meu lugar? É um pequeno e escuro buraco de merda. Um lugar onde seria difícil levar meus pais, muito menos a minha namorada. Mesmo assim, eu tenho três quartos e um telhado sobre a minha cabeça. Não é muito, mas isso faz o trabalho feito. Aqui nesta sala tem apenas um banco, um grande espelho, um som de quando eu estava no ensino médio, e algumas luzes. Esta é a suposta sala de estar, mas merda, eu chamo da minha sala de poses. Para inspiração, eu tenho alguns posters de grandes fisiculturistas do passado. E um grande espelho para me observar minuciosamente. Sim, lar doce lar. Então, essa menina eu só comecei a ver outro dia, ela veio pela primeira vez, e com esse olhar chocado em seu rosto, ela me perguntou por que eu não tenho um lugar melhor. Uma mesa de café. Um sofá. Algum lugar onde ela possa sentar. Mesa de café? Sofá? Foda-se isso. O que vem depois, algumas malditas flores de seda? De qualquer maneira eu digo a ela que há sempre duas cadeiras na cozinha… e a minha cama. Olha, regra número um, e eu sempre digo isto logo, desde o início – se você quer me ver, você terá tudo de mim. Tudo. O que é muito, ou o que é pouco depende de como você vê as coisas.

Não estou aqui para ficar calado e deixar a poeira sentar nos meus ombros… Possessões, todas as merdas que você coleciona – essas coisas põe você para baixo. Neste mundo, não tenho muito – apenas a roupa à minha volta e esse ardente desejo em meu coração. Mas ta tudo certo porque eu estou só de passagem… Em meu caminho para algo maior.”

ESSA É A MINHA MENTE.

A Jornada

“Está frio lá fora. Então, ultimamente tenho estado gastando muito tempo aqui dentro, nestas três salas que chamo de lar. A cozinha. O quarto. A sala de estar. Estes quartos são como os confins da minha mente. A cozinha, a minha fome. O quarto, o meu desejo. A sala de estar, minha solidão. Três coisas que eu tenho que lidar a cada um maldito dia. Merda, vou gastar muito do seu tempo dentro desses lugares, dentro da minha mente. Fora, no mundo real, você pode sempre sair para respirar. Na minha cabeça, não há nenhuma fuga… Nunca.

Quando eu encontro outras pessoas, elas me olham e dizem que sou um estúpido, grande demais. Alguém que não tem um pensamento em seu cérebro. Foda-se. Eu tenho o problema oposto. Eu penso demais. Eu me debruço sobre muitas coisas. Minha mente divaga… As vezes me sinto encurralado… Como se as paredes estivesse se fechando contra mim. É sufocante. Me pergunto se posso manter isto por mais dezessete semanas, e chegar até o final.

Mas dentro dessas três salas devo permanecer. Sozinho com a fome, desejo, solidão. Tenho que me manter em frente. Tenho que continuar andando… Então, quando eu estou aqui, em outra noite, sozinho, sentado, digo a mim mesmo que não estou ficando louco. Estes são os inquilinos que ocupam a minha mente – o lugar onde eu vivo.”

Ainda não existem comentários.

Comente!